JogandoReflexões & Opiniões

Call of Duty Infinite Warfare | Impressões do Beta Multiplayer!

Ficha Técnica

Game: Call of Duty – Infinite Warfare (site)
Desenvolvedor: Infinity Ward
Publisher: Activision
Twitter: @InfinityWard / @Activision / @CallOfDuty
Facebook: Infinity Ward / Activison / Call of Duty

Plataformas & Preço: Steam (R$ 199), PlayStation 4 (R$ 249) & Xbox One (R$ 249) * preços da versão básica, sem o remaster de CoD Modern Warfare incluso. Para a versão com a mencionada remaster é preciso pegar a Legacy Edition, que custa respectivamente R$ 249 (Steam) e R$ 299 (PS4 & XO).
Características de destaque: shooter em primeira pessoa, guerra futurista, multiplayer versus online, modo horda (com zumbis), modo campanha.
Multiplayer: Cooperativo & Competitivo

Após um final de semana de beta multiplayer!

Terminou no último final de semana o período de beta do multiplayer de Call of Duty – Infinite Warfare. O beta aconteceu tanto no PlayStation 4, quanto no Xbox One, sendo que na plataforma da Sony o mesmo já estava rolando há quase duas semanas (mérito de um acordo entre Sony e Activision), enquanto no Xbox One só aconteceu, de forma fechado, em um único final de semana.

Como não possuo um PlayStation 4, e não tive a oportunidade de testar o game na abertura da Brasil Game Show em setembro, acabei esperando a oportunidade de testá-lo diretamente no Xbox One. Achei meio errado a Activision tem lançado um beta multiplayer tão próximo a data de lançamento do game, que chega aos consoles em 4 de novembro, e de forma fechada, exclusiva a quem reservou o game em pré-venda – ainda que no Japão o beta acabou sendo aberto na Live e meio que muita gente baixo por lá o arquivo e jogou de boa nesse final de semana, fora que aqueles que reservaram, receberam vários códigos de acesso que podiam ser compartilhado com os amigos se assim quisessem.

Acabou não sendo um beta tão fechado assim, porém mesmo assim achei que havia muito menos jogadores online em relação ao beta de Black Ops III do ano passado, ao menos na plataforma do Xbox One. Já que como no PS4 o tempo de testes foi muito maior, e neste último final de semana foi totalmente aberto a todos os usuários da PSN, isso certamente ajudou a encher salas e mais salas online em tal plataforma. Ou ao menos é o que imagino que tenha ocorrido.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (13)

E estou ressaltando tal detalhe apenas pelo fato de não ter conseguido testar todas as modalidades de multiplayer do game. Pelo Xbox One só consegui jogar o modo dominação uma única vez, e isso porque fiquei em uma espera por quase 10 minutos por uma partida. No geral tive a impressão de que os jogadores brasileiros estavam apenas lotando e jogando as salas do modo Mata Mata em Equipe, na qual o matchmaking não demorava nem mesmo um minuto para encontrar partidas e me colocar em ação. Porém essa é outra discussão que vem se tornando cada vez mais curioso no cenário gamer brasileiro: por que os jogadores só jogam mata mata? É complicado porque não é algo que apenas Call of Duty sofre com isso, mas outro dia discutimos isso.

No futuro, iremos guerrear novamente!

Infinite Warfare segue a mesma linha dos últimos games da franquia Call of Duty, colocando os jogadores para brigar em guerras baseadas em um futuro distópico, onde a humanidade desbrava o espaço, tem tecnologia de ponta e com isso armas altamente letais, ainda que elas não sejam tão estranhas ou diferentes quanto um arsenal mais tradicional de jogos de guerra. Não são tão malucas quanto, por exemplo, as armas de Destiny, que também é distribuído mundialmente pela Activision, porém desenvolvido pela Bungie.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (10)

Salvo engana, o beta disponibilizou cinco mapas do multiplayer do game, Frost (um mapa com cenário de inverno), Terminal (um mapa com uma espécie de aeroporto na lua, visualmente incrível e que também é um remake de um mapa clássico de Modern Warfare 2), Frontier (um mapa que parecia uma estação espacial, na qual se um inimigo morre, ele fica flutuando no ar por alguns segundos), Throwback (um mapa simulando uma antiga rua dos Estados Unidos na década de 50, e curiosamente o mapa na qual achei mais bacana) e também Breakout (que estranhamente não apareceu pra mim em partidas, apenas o vi no You Tube – talvez tenha sido exclusivo de algum modo ou apenas para a plataforma PS4, não tenho certeza).

A impressão que tenho é que essa ideia de Call of Duty do futuro meio que estagnou, cansou. Não achei os mapas apresentado no beta muito inspirados ou diferentes. Não deram o mesmo impacto que tive ano passado com Black Ops III. Achei que os mapas aqui lembravam muito os mapas do game do ano passado, mas sem qualquer atrativo realmente que tornassem interessantes. Fora que eles não são mapas vivos, com coisas para interagir ou algo acontecendo nele. São apenas cenários bonitos, ainda que pouco inspirados. Tudo ali os jogadores já meio que viram nos games anteriores recentes da franquia e até mesmo em outros games que também andaram apostando nessa pegada futurista.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (3)

Não que isso os torne ruins, mas pensando na concorrência este ano, era de se esperar que Infinite Warfare fosse tentar algo mais chamativo ainda do que Black Ops III já havia conseguido ano passado.

Aliás, o sistema de personagens e classes do game segue o mesmo modelo estabelecido pelo game ano passado. Mas também bem menos cativante. As classes permanecem, mas as achei meio genéricas, menos chamativas do que foram as classes do game ano passado. No beta só pude ver três, mas parece que as classes apenas diziam mais sobre a habilidade especial que o jogador poderia usar, do que apresentar uma categoria diferente de personagem. Não havia um background, uma história de fundo. Em Infinite Warfare, os personagens são apenas soldados e ponto. Sem muito charme, história ou carisma. Bem, ao menos aqui no beta, sem que a gente possa ter total conhecimento do papel de cada um na campanha principal do game.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (8)

Claro que nem tudo me desagradou. O alto poder de customização, dos perks, das muitas armas diferentes, das granadas e dispositivos de rastreio e a facilidade na qual o sistema te ensina a mexer em tudo isso está claramente mais amigável do que vi no o game ano passado e em versões anteriores da série. Ou talvez esteja melhor habituado, não sei. Pessoalmente achei mais fácil.

Se tem uma coisa que aprendi com os últimos Call of Duty é que existem tantas armas diferentes no multiplayer do game que o jogador sem muitas habilidades, como eu sou, precisa testar várias armas e ver quais se adequam melhor ao seu estilo de jogo. Nem toda arma é boa, nem toda mira é perfeita. Há muitos games que possuem um arsenal enorme de opções, mas que a gente joga com qualquer arma e está tudo bem. Call of Duty é um dos poucos games que sinto que não dá para ser assim. Eu preciso sempre encontrar uma arma que melhor funcione comigo. E encontrei (essa abaixo).

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare

A curva do aprendizado

Aliás no que diz respeito a entrada de um jogador novato ao multiplayer do game, vale sempre avisar que a curva de aprendizado do multiplayer de Call of Duty normalmente é um tanto longa. Se demora para aprender a jogar. Normalmente os jogadores saem como loucos, correndo pelo mapa, pulando como coelhos e meio que deixando as partidas meio aceleradas demais para jogadores que não curtem esse estilo de agitação.

O ideal é dar tempo ao tempo. Vá testando as armas, e subindo no ranking de experiência aos poucos. Após subir alguns níveis o jogo vai lhe liberando novas armas e habilidades que realmente deixam claro porque os jogadores de níveis baixos apanham feio no começo.

Outro ponto importante é aprender os pontos quentes de cada mapa. Onde se posicionar, saber de onde os jogadores surgem e renascem. Isso ajuda muito no começo. Se possível, procure locais altos, para pegar os jogadores de cima, já que normalmente eles olham sempre para linha reta, já que estão correndo sem prestar muita atenção em pontos de cobertura mais alta (os mais experientes porém sabem e ficam atentos a isso). Normalmente é correr como um louco que entrega a sua posição dentro do game.

https://www.instagram.com/p/BL8TO-nhoIT/?taken-by=portallos

Há mapas que possuem entradas e coberturas para se esconder, porém tem múltiplos locais de acesso. Sempre vigie eles. Recarregue a usa arma sempre fora de uma janela, longe do olhar dos jogadores e uma vez que você matar um ou dois jogadores nesse ponto em que se encontra, ou mude de lugar ou fique esperto, pois as chances deles lhe caçarem e te pegarem por trás são enormes.

No que diz respeito a mobilidade, achei que Infinite Warfare está um pouco mais pesado, menos intuitivo do que Black Ops III foi ano passado. O pulo não é muito alto, o impulso não é muito eficiente e andar nas paredes não me parece tão natural quanto foi ano passado. Os próprios mapas disponibilizados no beta não tinha tantos pontos para malabarismos verticais, sendo todos corredores e extremamente horizontais, com múltiplas entradas e saídas, impedindo aqueles jogadores que ficam parados em um mesmo ponto por muito tempo, o que não acho que necessariamente seja algo tão legal assim essa coisa do incentivo a todos ficarem correndo aos prantos.

Infinite Warfare também me pareceu ter mapas bem pequenos. Partidas de 6 jogadores contra 6 jogadores não exigem áreas muito grandes, é verdade, porém o sistema de respawn (renascimento de jogadores mortos) não estava sendo muito amigável em mapas como Frost. Não era incomum renascer e 5 segundos depois um inimigo aparecer na minhas costas e me matar, apenas para dar respawn no mesmo ponto novamente e alguém me matar da mesma forma, ou em outro ponto e morrer da mesma maneira. Difícil assim (vide o vídeo abaixo). Acho que a Infinity Ward, desenvolvedora do game, precisa olhar isso e ver a viabilidade de um patch para arrumar isso. Seja dando respawn em locais realmente seguros ou um pequena proteção automática de alguns segundos, o suficiente para os adversários não ficarem caçando jogadores nas zonas de respawn.

https://www.instagram.com/p/BL8TohGhUu8/

Sombra de Black Ops III

A impressão final que tive de Infinite Warfare é que o jogo não arriscou muito em seu multiplayer. Não como Black Ops III fez ano passado. Não é à toa que muito pouco se falou sobre essa modalidade nestes últimos meses. Estou quase certo que o grande foco do título este ano é sua campanha, seu modo história. Este sim, por tudo que já foi divulgado, parece que está bem mais incrível que a campanha de Black Ops III. Espero não estar errado quando a isso.

O multiplayer de Infinite Warfare me parece mais do mesmo, porém sem o charme e a simpatia que o mesmo recebeu ano passado. Será que a Infinity Ward estava planejando algo diferente e devido ao sucesso de Black Ops III o estúdio precisou adequar seu multiplayer ao que o game apresentou em sua última versão? Difícil dizer…

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (12)

Fora que já se é estranho pensar em um game de guerra e ver um modo de seis jogadores contra seis jogadores. Puxa, estamos em uma nova geração! Infinite Warfare não sairá no Xbox 360 ou PlayStation 3. Por que então essa aposta em mapas menores? Por que não partidas com mais jogadores, como 10 contra 10? Tornar as coisas mais agitadas ainda. Escalonar, já que é uma franquia que está já alguns anos trabalhando com a ideia de guerra futurista. A impressão que tive é a de que o multiplayer de Infinite Warfare ficou com cara de um modo de jogo da geração passada. E isso não é tão legal assim.

Obviamente que é sempre importante reforçar que este é uma opinião prévia, baseada apenas no que pude ver jogando por dois dias o beta do multiplayer do game. Tive problemas para testar outras modalidade e não pude ir subir de ranking o suficiente para ver até onde o jogo me levaria. Não deu para testar todas as classes que estarão presentes no game final. Ou seja, ainda não é a minha opinião final sobre o game.

https://www.instagram.com/p/BL_CzTthCbX/

Ainda em observação…

Há alguns aspectos e detalhes importantes que só ficarão mais claros na versão final do game. Por enquanto, sigo olhando com uma certa desconfiança, achando que este provavelmente será o último ano de um Call of Duty futurista. Mesmo que a campanha seja incrível, e acho que será, há sinais de que, tal como ocorreu com Assassin’s Creed há alguns anos, Call of Duty é uma destas franquias anuais que precisam de férias ou de mais uma chacoalhada em suas bases. Mudar tudo de novo.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (11)

O que se dá para concluir aqui é que aqueles que curtiram o esquema do multiplayer de Black Ops III em 2015, vai se sentir em casa com Infinite Warfare. Há alguns detalhes pontuais que talvez precisem receber melhorias (como as áreas de respawn) e outros que os jogadores só descobrirão mais com o lançamento do game (os outros mapas, as classes avançadas, todos os sistemas de perks e armas que se destravam conforme o jogador sobe de ranking).

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (4) Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (2)

No geral, fico apenas com a boa impressão de que todo o sistema de customização está mais amigável, ainda que não ache que essa coisa de skin de armas coloridas seja tão necessário e presente em um game como este. Ao menos o sistema de cartinhas (veja acima) que liberam skins e emblemas não está tão rigoroso e restritivo quanto aconteceu recentemente com Gears of War 4, por exemplo.

Só sei que saio desse beta ainda com muitas incógnitas sobre Infinite Warfare e com a certeza de que já está na hora de mudar tudo de novo. Mesmo que o game seja bom (e não estou dizendo que não será), a franquia está gritando por uma renovação.

Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (7)Beta do Call of Duty® Infinite Warfare (5)

Curte do nosso conteúdo? Saiba que é possível ajudar o Portallos!
Siga-nos em nossas redes sociais: Facebook | Twitter | Instagram
(Novidade) Estamos começando, dê uma força: YouTube | Mixer
— Entre e participe do nosso Grupo de Leitores no Facebook!
Seja um apoiador no Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Etiquetas
Isso também pode lhe interessar

Thiago Machuca

Fundador e editor do Portallos (2008) e do Ponto de Checagem (2014). 32 anos, formato em Direito, vivendo desde sempre no interior de São Paulo (Vale do Paraíba). Casado e já papai. Games, quadrinhos e seriados são uma paixão desde a infância. Em busca de novos apoiadores que curtam estes projetos e a viabilidade deles crescerem!
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios